terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

O dia seguinte...

No outro dia eu acordei triste, pensando na gata. Consegui reunir uma força tarefa para vasculhar o terreno em busca de Raquele.
Ao chegar na clínica vieram me falar que a "mamãe" da Raquele havia ligado pedindo que não fôssemos atrás da gata pois estávamos assustando a mesma.
Ahhh, eu pensei, deixa pra lá, ela que se vire então.
Mas eu já estava com a roupa mais velha que achei (e que coubesse em mim), bota sete léguas, boné, facão afiado... claro que eu me embrenhei novamente no mato.
Ao sair da clínica veio um rapaz que havia levado o cachorro para atendimento, oferecendo ajuda para buscar a gata. Eu não neguei, é claro, mas ele estava de chinelo e bermuda. Eu avisei: olha, o mato lá é alto e tem cansanção!!
- Não se preocupe, doutora, eu sou de roça!!
Mas ao entrarmos no terreno eu pude ver pelas suas feições que ele nunca havia visto tal mato. Nos dividimos, Denys foi por um lado, o Alex (o cliente) por outro, e eu e Nancy pelo caminho mais fácil e na sombra, claro.

Às vezes o Alex passava por nós, se coçando: Olha, bem que você disse que tinha cansanção!
Depois de 1 hora nós já tínhamos nos reunido debaixo do abacateiro, chupamos duas canas, catamos 10 abacates, tiramos fotos e brincamos de "no limite" e "lost"..
Raquele???
bom, se ela nos viu, não quis aparecer.
Resolveu aparecer durante a noite, quando come a comida que deixamos ao lado da clínica e some de novo.
Sua dona esteve mais umas duas vezes nos visitando. Estamos de tocaia para resgatar Raquele, que tem vivido dias de aventura, e quando cansar, ela aparece.
Eu estou aqui, alerta, procurando, tomando antinflamatório, antibiótico e antihistamínico para as feridas do cansanção.


Não se esqueça de seguir o blog, por Seguidores ou FEED.

• Diário de uma Veterinária


Bookmark and Share

6 comentários:

Andrei disse...

Aconteceu comigo !
Uma cliente trouxe a gatinha pra castrar numa caixa de papelão fechada , com furos e amarrada.Estava eu tranquilamente na frente desse mesmo teclado quando passa pela minha porta um felino a passos rápidos que em meio segundo julguei ser a própria , de quem até então só sabia que era fêmea.A minha sorte foi que ela se assustou com a visão da rua e entrou no corredor lateral da clínica , comigo no encalço.No meio do pulo para o muro do vizinho ,grudei com as duas mãos pelo cangote e pele das costas.Me custou seis pontos no dedo e vários ml de sangue , mas na mesma tarde me vinguei abrindo seu abdomen e removendo parte de suas entranhas.
Não esquenta , seva bem a fujona e arma uma pra ela.Boa sorte.

Alice no País das Maravilhas disse...

ahahahahah]
aqui na bahia a gente só ceva guaiamun
Mas vou armar uma arapuca pra ela como você disse,Andrei, obrigada

Andrei disse...

"Seva" foi de matar , mea culpa.kkkkkkkkk

Lelê Fagundes disse...

E aí?????????????? A Raquele apareceu, afinal??
Estou super curiosa!

Alice no País das Maravilhas disse...

Ahh Lelê
estamos armando uma arapuca pra ela
ela tem vindo de noite comer
mas eu dou notícas
o nome do post será:
O dia que Raquele apareceu
ahahah
bj

Nancy disse...

poxa! pelo visto minha foto ficou horrível né?! vc nem teve coragem de postar.... rs
a gente devia ter filmado o NO LIMITE. a Globo até pagaria bem pra gente. kkkkkkkkk
se precisar de novo, é só me chamar pro resgate.
bjuu