terça-feira, 21 de outubro de 2008

De quem foi a culpa?


Trabalhando nos mais variados casos e com os diversos tipos de pessoas a gente começa a perceber que no fundo no fundo há muita similaridade. Algumas pessoas vão ao veterinário para ajudar o animal, e outros para tirar a culpa das costas. Chega no consultório aquele animal cheio de feridas, várias cicatrizadas, magro, anêmico, e perguntamos: Há quanto tempo ele apresenta essas lesões?
"Sabe, doutora, ele até se coçava mas de ontem pra hoje parou de comer e começou a se coçar loucamente, olha só como já perdeu peso!!"
Está na cara que há pelo menos seis meses o animal não via banho, há 4 meses se coçava loucamente e há pelo menos uma semana está sem comer. Por que algumas pessoas não falam a verdade? Por que elas acham que não sabemos nada de patologia? Para se livrar da culpa?
Às vezes eu chegava em casa arrasada, pensava em como aqueles animais chegavam àquela condição, como achavam que eu era burra para não saber que se tratavam de maus tratos.
A veterinária é assim, compensa muito, mas entristece também.
Nem sempre o proprietário assume a responsabilidade da condição daquele animal, é mais fácil fornecer uma informação errada do que dizer que não levou pois não tinha tempo, interesse, ou o que fosse.
Me lembro de uma vez ter atendido uma shar pei extremamente magra, eu nunca havia visto um animal daquele jeito, eu perguntei para a proprietária o que estava acontecendo: "Veja bem, há uns 6 meses ela tá emagrecendo, eu coloco comida, ela come mas vomita, eu não tenho culpa, minha parte eu to fazendo"... aham, de repente a cadela tem bulimia e força o vômito para não engordar!!!
Atendi um animal na casa do proprietário, estava chovendo e eles me ligaram pois o cachorro havia comido "chumbinho", um veneno a base de carbamato utilizado para matar rato, e hoje com a venda proibida. Cheguei lá e o animal estava deitado na grama, na chuva. Ao perguntar o que a família fez, a resposta: "Olha, fomos nós que botamos o chumbinho para os ratos, mas ele não deveria ter comido, isso não é cachorro, é um burro!! você é burro é cachorro? é burro? ainda por cima deita na chuva, eu chamei pra vir pra varanda mas ele não quer vir"... pobre animal, estava sem forças, eu então trouxe para dentro da casa, sequei o cão, fiz o atendimento para o envenenamento e ele sobreviveu... para passar mais ANOS de vida com essa família, coitado!!
Maus tratos não são só bater no animal, mas a negligência nas necessidades básicas é o que mais vemos. Quando eu pego um caso desses, de maus tratos, de negligência, hoje em dia, e o animal morre, às vezes o proprietário pergunta "que raça eu devo comprar agora??" eu respondo" compra uma planta, pra que cachorro? paga uma segurança privada, cachorro dá trabalho".. eu prefiro perder um cliente que não crie mais cachorros do que recomendar que o mesmo leve outro animal pra casa, que vai passar pelas mesmas condições.
Seja sincero com o veterinário, não estamos lá para botar a culpa em ninguém, sua sinceridade colabora com o diagnóstico e ganha o respeito do seu bichinho!

Não se esqueça de seguir o blog, por Seguidores ou FEED.

• Diário de uma Veterinária


Bookmark and Share

5 comentários:

Paula disse...

Simplesmente FANTÁSTICO!!!!
Não pára! Continua escrevendo diariamente q tô aki acompanhando....
Tô amando!!!
Um super beijo

Heneile disse...

esse seu texto me fez lembrar de um certo tumor nas costas de um certo ratinho wistar, será que eu to sendo negligente?? como já disse, seus textos tem feito algo em mim...espero estar me tornando uma pessoa melhor por estar convivendo com veterinários como os maravilhosos colegas de curso...um Abraço
Heneile

A. disse...

Já falamos desse tumor, Heneile, a dona está vendo o ratinho sofrer e não tá fazendo nada? não... simplesmente tem coisas que não se mexem! Graviola nele ehehehe
Não se preocupe que eu tenho certeza que a dona desse ratinho é uma boa mãe

Dila Maria Ribeiro da Silva disse...

Embora suspeita para opinar, fico admirada com a seriedade com que voce assume suas responsabilidades, que voce sempre gostou de aimais ja sabia a muito tempo, mas que levaria tão a sério e com tanto carinho sua profissão me causa uma certa surpresa, acho inclusive que deveríamos ter mais médicos com sua percepção(médicos de gente),rs.
Parabéns e continue escrevendo.
beijos
Tia Dila

DryMartini disse...

rs todas as suas redações são simplesmente a VERDADE em toda situação vivida pelo veterinário em qualquer lugar do Brasil, isto é uma certeza! impressionante, estás na Bahia e eu em São Paulo, e é típico típico demais, podemos descrever as mesmas situações encontradas. Presenciei as mesmas coisas e comento (e lamento) no mesmo tom que você rs. por muitas vezes tive vontade de escrever sobre as várias bizarrices que já vivi como veterinária e (principalmente como) estudante, porém tenho medo realmente de levar opinião de ser indiscreta kk aquele tal de sigilo ético kk.. acho que por isso temos medo de expor o que passamos na profissão, mas quer saber, tem que falar mesmo!! por outro lado, agradeço seus textos, ajuda a aliviar a alma de desabafos. um dia escrevo tuuudo também!