segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Poodles e afins


Eu me lembro do primeiro rabo que eu cortei... Aprendi muitas coisas nos estágios, mas quando você pega para fazer, aiii, dá um medo. Parece que você vai cortar o rabo de uma lagartixa e ele vai crescer de novo. Ou sair pulando. Você encara seu primeiro momento de todas as formas, menos da forma normal.
Mas não era nem de corte de rabo que eu queria falar.. mas já que comecei, aqui está um evento. Chegou aquela cliente com dois cães em uma caixa, eles pareciam dois filhotinhos de sagui, cada olho arregalado, um pelo lisinho, espetado, como uns fiapos. Eram bonitinhos os mestiços. Então eu pergunto: Sim senhora, é vermifugação ou vacina?
"Não, doutora, é pra cortar os rabos"
"Ué, mas por que vai cortar os rabos dos bichinhos?"
"Porque sim doutora, a senhora já viu poodle de rabo grande?"
"Já vi sim senhora, são umas graças, mas esses não são poodles"
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
SILÊNCIO MORTAL
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
"Doutora, a senhora não viu meus cachorros direito!"
Eu já estava sem graça, querendo entrar na caixa junto com os cachorrinhos..
Existe um ditado que diz: Você tem dois ouvidos e uma boca.
E outro que diz: Calado, até um tolo se torna sábio.
Infelizmente eu não conhecia esses ditados na época e insiti:
"Minha senhora, a mãe desses cachorrinhos andou namorando com outro cavalheiro que não o poodle da senhora"
Dessa vez a senhora praticamente soltou fumaça pelo ouvidos!
"Doutora, eu gostaria que a senhora cortasse os rabos dos meus poodles, pois eles são filhos de pai e mãe poodles, isso eu posso assegurar à senhora"
Bom, eu calei, peguei os cães, marquei a hora, e ela foi embora.
Então eu falei com os cães:
"Olha, poodlezinhos, vocês são poodles viu, tratem de enrolar esse pêlo, afinar esse focinho, e formem um lindo pompom nesse rabo que estou prestes a cortar"
Foi tudo bem, depois disso eu nunca mais vi os pobrezinhos. E nem esperava, a cliente ficou tão aborrecida com minha ignorância em cinofilia. Espero que eles tenham superado a diferença dos pais. Depois disso eu aprendi a perguntar sempre a raça antes, prefiro que pensem que eu sou burra do que se ofendam com o sangue mestiço de seus "filhos"!!!
Isso foi em 2004. Nunca mais eu havia falado nada de raça, mas semana passada chegou uma, segundo o proprietário, Fila Brasileiro tão fofa na clínica, comprada em canil, que daria uma linda labradora, precisei procurar fotos do google pra convencer esse outro "papai" que sua "filha" que havia sido criada como fila brasileiro, poderia até ser registrada como labradora chocolate, eheheh, esse concordou comigo.

3 comentários:

Suellen disse...

Tive q deixar um cometário flor... pq eu tb já "falei demais" com relação à raças... na verdade, o proprietário é quem sabe da raça do seu animalzinho... nós estudamos 5 anos, fora as especializações, só pra tratar, não eh???
Abç!!!

thico disse...

embrei do dia em que eu perguntei ao dono de robalo se ele havia acasalado com outras cadelas :p

Dilce disse...

kkkkkkkkk... deviam se parecer com a Licinha, lembra dela???