sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Que dia bom!!


A gente fica feliz quando tudo dá certo, ou pelo menos quando a gente passa perto.
Um dia aparece na minha porta a Tula, uma quase lhasa apso... muito doentinha. Ela pesava 3 kg e passou o fim de semana todo vomitando, estava um "caco" na segunda-feira. Ela passou por uma cirurgia com um colega uns 15 dias atrás, caiu da escada e fraturou o fêmur. Porém cerca de 4 dias antes de aparecer na clínica ela começou a passar mal, ficar triste, vomitar. O colega suspendeu o antibiótico pois acreditava ser o responsável pelo mal estar. A 'moça' piorou, no sábado ela "tomou" soro, não parando de vomitar, então no domingo a proprietária telefonou para o colega, que não repetiu a soroterapia pois a moribunda havia tido uma "sobrecarga de soroterapia" no dia anterior.
Bom, veio parar nas minhas mãos na segunda-feira. Providenciei um hemograma. Ela apresentava abdômen distendido, respirava com dificuldade, febre, desidratação. Ela foi logo colocada em soroterapia enquanto eu fazia os exames. A função renal dela estava alterada, os leucócitos, que são as células de defesa, estavam em 100.000 (o normal é de 6.000 - 17.000). Minha suspeita era piometra, infecção no útero, e o tratamento era um ato heróico de cirurgia para retirar o mesmo.
Mas a proprietária estava com muito medo, me perguntou como fazer para confirmar o diagnóstico, e eu disse logo: uma ultra-sonografia, mas não temos aqui em Ilhéus. Só em clínica humana, e a única clínica que faz, de vez em quando RX, pra a gente, já mandou recado que não vai mais fazer... é a clínica X!!
"A clínica X?? eu sou arquiteta e fiz o projeto da clínica X... vamos fazer a ultra-sonografia lá. O médico faz e você acompanha"
A pobrezinha foi então para a clínica fazer o exame ultra-sonográfico. Ao realizar o exame eu logo vi na tela imagens do útero aumentado, o útero na cadela é em formato tubular, como um Y, na mulher é em formato de pêra, como um 0.
Eu então logo falei que era infecção uterina, que precisávamos arriscar a operação. Antes que eu terminasse, o médico se pronunciou: "Veja bem, minha amiga, o que a sua cadela tem não tem nada a ver com infecção no útero, porque isso que vemos na tela é o intestino. Não se movimenta e está cheio de líquido porque está obstruído, não está defecando, não é verdade?"
"na verdade não, doutor, ela está com diarréia" disse eu
" bom, como eu ia dizendo, a sua cachorra tem uma condição chamada abdômen agudo, e se deixar essa mocinha operar, a sua cadela certamente morrerá."
Aquilo parecia uma profecia!! Que absurdo foi dito e que triste foi. Eu voltei para a clínica com a paciente, e mais chateada que tudo, na saída ainda agradeci pelo exame e ouvi: "eu não fiz por você"... Meu primeiro diagnóstico ultra-sonográfico e eu tinha passado aquela vergonha toda, mas eu estava tão certa, fiquei logo muito triste.
Bom, a proprietária estava com mais dúvida que qualquer coisa. Ela ligou para outro veterinário em Salvador, muito respeitado, que disse: deixe de ser boba e confie na veterinária da sua cachorra!!
Então a senhora se despediu da Tula, chorou bastante e foi embora.
Deus colocou suas mãos na cabeça dessa cadela e foi a cirurgia mais tranquila do mundo. No momento que a cirurgiã tirou o útero, e esse devia pesar 1 kg, cheio de secreção da infecção, eu saí da sala e dei um murro na parede... como eu pude me deixar abalar pela opinião de um profissional que nada conhecia da anatomia canina, e nada queria conhecer? como eu pude sequer duvidar da minha capacidade diagnóstica quando tudo mostrava que era infecção e eu fiquei com medo? eu provei para mim que tudo tinha dado certo, e que seria menos sofredor se eu confiasse mais em mim.
É isso aí, eu estava crescendo e aprendendo, e meu primeiro diagnóstico ultra-sonográfico foi decisivo para a sobrevivência da Tula, que até hoje é nossa paciente.
Deixo um conselho, confie no veterinário do seu animal, e na sua intuição... a proprietária só decidiu operar porque apesar da minha dúvida depois do parecer do médico, ela sentia que estávamos no caminho certo.
E para os veterinários, pense muito sobre um diagnóstico e confie na sua capacidade, afinal, a saúde do bicho depende disso.

Não se esqueça de seguir o blog, por Seguidores ou FEED.

• Diário de uma Veterinária


Bookmark and Share

2 comentários:

Paula disse...

Alice.... Esta foi em homenagem ao meu caso de hj, né? kkkkkkkkk
Vc nem sabe da missa a metade. Depois te conto os detalhes do meu caso. Acabou td bem, até agora....
Bjos e Sicesso!

Butterfly disse...

PQP!!!E VC DEPOIS NAO FALOU NADA PRA ESSE MÉDICO FDP????ÀS VEZES EU FICO COM TANTA RAIVA DESSE TIPO DE PROFISSIONAL.QUEM ELES PENSAM Q SÃO PRA NOS DESMORALIZAR DESSE JEITO...CONFIE EM VC SEMPRE!!!BJS AMIGA